Skip to main content

Somos todos Maju!

É inconcebível que, em pleno século XXI, alguém ainda considere a cor da pele de uma pessoa para julgá-la. É algo tão imbecil que chega a parecer difícil acreditar que um ser minimamente dotado da capacidade de pensar possa realmente enxergar o mundo e os outros dessa forma. Porém, infelizmente, existe sim – e muito – racismo no Brasil.

A mais recente vítima de racismo foi a competente Maria Júlia Coutinho. A jornalista poderia sofrer críticas caso fosse avaliada por seu trabalho (legenda aos energúmenos: não acho que as mereça, estou usando o campo das hipóteses!), mas jamais ser ofendida por sua cor. Ainda bem que logo que começaram as ofensas, rapidamente tomou conta da internet a campanha #SomosTodosMaju, muito mais numerosa. A campanha de apoio chegou aos trending topics do twitter, tendo muito mais visibilidade do que as ofensas em si. É aquela velha história de que “os bons são maioria”.

E é assim que sempre tem que ser! Racismo não cabe discussão. Não cabe interpretação, contemporização. É coisa estúpida, mas muito séria. Maju é negra, sim. E mulher. E bem-sucedida. E está no principal telejornal do Brasil. Doa a quem doer. E, se doeu em você, você tem sérios problemas sociais. E, se você resolver agir de acordo com esse seu probleminha de imbecil, você merece e precisa ser punido exemplarmente.

Não é possível que o ser-humano tenha evoluído a ponto de pisar na Lua, curar diversas doenças, ter um robô em Marte, mexer em células, se comunicar por vídeo em aparelhos pequenos em que você toca no vidro e a informação aparece, e ainda ter gente dessa espécie que pensa que a cor de pele, o tamanho do lábio, ou o tipo do cabelo de alguém realmente fazem alguma diferença. Nós somos todos diferentes, sim! Mas nós #SomosTodosMaju!

Parabéns para a jornalista Maria Júlia Coutinho! Por sua competência e por enfrentar com um belo vestido vermelho esse ranço que nossa sociedade ainda não conseguiu se livrar. Parabéns por estar onde está, contra a inveja e o racismo de muitos! Como você mesmo disse, Maju: “os preconceituosos ladram, a caravana passa”. Aceitem que dói menos.

Foto em Destaque: Facebook Jornal Nacional

Greg

Carioca, mangueirense, jornalista formado pela ECO-UFRJ.

Comente