Skip to main content

Rio de Janeiro: guia de onde comer e beber

Já escrevi bastante sobre o Rio aqui no blog. Um dos programas que eu mais gosto de fazer na vida é sair para comer, mas nunca contei alguns dos lugares que eu mais gosto de ir no Rio. Esse post não é um “Guia Michelin”, com aqueles restaurantes super clichês, dos chefs renomados, etc. São restaurantes e bares pra “gente comum”, classe média (alta), que assim como eu também gosta de sair para comer e beber.

Comida japonesa:

Ambiente mágico do restaurante Yumê. Foto: Divulgação

Yumê: o Yumê é meu favorito! Tudo é especial, a começar pelo ambiente, com o famoso Espaço Zen! Lá, você janta à luz de velas em um tatame em cima de um lago de vidro (se der sorte com o tempo no dia, há também um teto retrátil). A apresentação dos pratos, o atendimento e o sabor da comida também fazem jus ao fato do Yumê ser queridinho de famosos. Lá não tem rodízio, então é um lugar que sim, é mais caro. Você vai gastar mais dinheiro (em torno de 250 reais para 2 pessoas – preço de 2016), mas vale muito, principalmente se for uma ocasião especial! Endereço: Rua Pacheco Leão, 758 – Jardim Botânico.

Famosa esteira de pratos do Geisha Hi-Tech. Foto: Divulgação

Geisha Hi-Tech: da tradição japonesa para a modernidade contemporânea: o Geisha é o oposto do Yumê no que diz respeito ao ambiente! Dentro de shopping e menos intimista, aqui a graça é aproveitar o rodízio na famosa “esteira”. Isso mesmo! Você escolhe um assento em um ponto do restaurante e os pratos vão passando na sua frente. Há uma boa variedade, com peças quentes podendo ser pedidas na hora (como os famosos “hot philadelphia”) e sobremesas inclusas no rodízio da esteira (o pudim de leite é sensacional!). Ah, o Geisha costuma aparecer com promoção no Peixe Urbano, então vale dar uma olhada lá antes de ir! Endereço: Casa & Gourmet Shopping – Rua General Severiano, 97 – Botafogo. Preço: em torno de 80 reais por pessoa (contando bebidas e 10%).

Comida Mexicana:

La Calaca: é uma espécie de bar mexicano. Há pratos, mas a variedade de petiscos típicos, como tacos, burritos e quesadillas chama atenção. Vale muito pedir algum (ou alguns) dos drinks – a maioria leva tequila, é claro! O ambiente é moderno e descolado. Pelos preços e tamanhos dos pratos, pense bem antes de ir se você estiver com muita fome (vai acabar tendo que pedir muitos itens – e pagando muito também). Eu sugiro ir para “beliscar” algo e tomar uns bons drinks. Endereço: Rua Belford Roxo, 129A – Copacabana / Avenida Armando Lombardi, 633 – Barra da Tijuca (essa não abre nas segundas).

Guacamole: não tem erro. É o que é o “McDonald’s” pros fast foods, o “Outback” dos mexicanos, a “escolha certa”. Tem unidades no Jardim Botânico e na Barra. Boas comidas, drinks (tequileiros andando pelo salão farão de tudo para que você beba os shots de tequila mexicana) e “mariachis” de tempos em tempos (o restaurante cobra couvert artístico). É muito legal pra ir com grupo de amigos, mas também pra ir de casal! Endereços: Rua Jardim Botânico, 129 – Jardim Botânico / Avenida Olegário Maciel, 108 – Barra da Tijuca.

Bares:

Bar Sobe, o teto aberto e o Cristo Redentor ao fundo.

Bar Sobe: Pensa num bar com teto retrátil, pequenas luzes penduradas e vista para o Cristo Redentor, ao lado de todo o verde do Jardim Botânico do Rio… esse é o Sobe! A especialidade são os drinks – o que me torna suspeito pra falar de lugares assim, porque adoro provar as mais variadas combinações possíveis! Os petiscos são muito saborosos, mas, pelo preço, é aquilo: o tamanho podia ser um pouquinho maior. Nada que comprometa uma noite super agradável no Sobe! Endereço: Rua Pacheco Leão, 724 – Horto (ou seria Jardim Botânico?).

Prove o frango com mel do Cafofo Pub. É sério! Foto: Divulgação

Cafofo Pub: Andou pela Rua Nelson Mandela (também chamada de “Rua Nova” porque não existia há alguns anos), em Botafogo, e você está bem: vai achar algo que te agrade com certeza! Dentre as várias opções da rua, uma das que eu mais gosto (e frequento) é o Cafofo Pub. Aqui, esqueça “ambiente intimista”, essas coisas. É “boteco chique”, mas com mesa na calçada mesmo, televisão passando jogo de futebol, música e por aí vai. É ótimo pra ir em grupo, mas dá pra ir de casal facilmente também. Tem um petisco que é o meu favorito-máximo (daqueles que você sempre pede quando vai e nunca muda o pedido), que são os “Sticky Chicken”: tiras de frango fritas com um molho caseiro de mel! Ele é ideal para duas pessoas. Só de pensar dá vontade de parar de escrever e ir lá! Ah, uma outra coisa legal do Cafofo é deixar o cardápio de lado e pedir pro barman ou pra barwoman inventarem o seu drink – eles fazem criações únicas ali na hora pra você! O Cafofo também tem almoço executivo, mas confesso que nunca fui lá antes das oito da noite. Endereço: Rua Nelson Mandela, 100 – Botafogo.

Baródromo: esse é pra quem gosta de samba, porque é todo decorado com fantasias das escolas de samba do Rio. Mas não é “só” um bar… enquanto nos fundos tem mesinhas ao ar livre (com música um pouco mais baixa e melhor para sentar e conversar), na parte da frente tem um pequeno palco para shows (aí é pra ficar em pé e curtir a música). Vale conferir a agenda de eventos no Facebook e no Instagram deles, porque tem apresentações de baterias de escolas de samba e rodas de samba com feijoadas. Por causa desses shows, cobra entrada, mas vale muito o passeio! Endereço: Rua do Lavradio, 163 – Lapa.

Para ir sem se preocupar com a hora:

Grand Gateau Chocolat recheado com pedaços de Hershey’s Paçoca, Picolé Diletto de Coco, cobertura de chocolate, raspas de coco, paçoca esfarelada e leite condensado: uma das várias deliciosas sobremesas do Paris 6. Foto: Thatiana Bione

Paris 6: as comidas são muito boas (olho no preço, pois são pratos individuais – vale baixar o app deles, costuma ter promoções interessantes), mas a especialidade mesmo são as sobremesas! Difícil é escolher qual comer. Grand gateau, crème brulée, tem de tudo! Pensa em um brownie com calda escorrendo pelo prato e com um picolé em cima. É tudo nesse nível da foto aqui do lado! E é tão bom, mas tão bom, que vale até ir “só” pra comer a sobremesa (quem nunca?!). Outro ponto ótimo é que o Paris 6 fica aberto 24 horas, então você pode ir quando bem entender sem correr o risco de ser mal atendido e ter que comer com pressa – é um ótimo pós qualquer coisa (pós-cinema, pós-night, o que quiser). Endereço: Avenida Érico Veríssimo, 725 – Barra da Tijuca.

Lamas: é tão famoso, mas tão famoso e tão tradicional que acho que não vale nem eu escrever algo aqui pois corro o risco de ser leviano. Sério, quando eu digo que é tradicional é porque ele foi fundado em 1874 (sim, isso mesmo, no século XIX!). O Flamengo foi concebido lá (quando o restaurante era em outro local, é verdade, mas…), no ano de 1895! O bom é que os pratos são bem servidos pra duas pessoas e o restaurante só fecha lá pras 2 horas da manhã, todos os dias. Endereço: Rua Marquês de Abrantes, 18 – Flamengo.

La Fiorentina: também tradicional (aberto em 1957), aqui a especialidade são as massas e os frutos do mar. O preço é um pouco mais salgado, afinal é um ponto de encontro de turistas, artistas, jornalistas, pessoas com insônia (rs). Por ser na orla da praia do Leme, tem umas mesas na calçada ao ar livre super agradáveis, com a maresia e o vento da praia (dependendo da época do ano pode chegar até a fazer um friozinho), mas a área interna também é incrível: as paredes (e as toalhas de mesa) têm autógrafos dos famosos que passaram por lá. Uma das diversões é tentar decifrar cada uma das assinaturas. Assim como o Lamas, fecha tarde, depois de 1 hora da manhã. Endereço: Avenida Atlântica, 458 – Leme.

Outras dicas:

Empório Jardim: aqui a dica é para o café da manhã, que é considerado por muitos como “o melhor do Rio” e ilustra a capa deste post. E olha… é bem capaz de ser o melhor mesmo! O Empório Jardim oferece uma comanda com uns 80 itens de café da manhã a qualquer hora do dia e você marca o que você quer (os preços de cada opção já aparecem ali mesmo, então você pode adequar o seu café à sua fome e ao seu bolso). Tem tapioca, ovos, pães, bolos, frutas, sucos, tudo isso misturado, enfim… Nas manhãs dos finais de semana, cuidado com a lotação: não é muito grande e costuma ficar bem cheio (e com famosos), mas o ambiente é super agradável. Lá tem também uma pequena deli/padaria, com alguns produtos à venda como geleias artesanais, pães, etc. Endereço: Rua Visconde da Graça, 51 – Jardim Botânico.

Rodízio de Fondue no “cercadinho” do Fazendola. Foto: Divulgação

Fazendola: essa dica é válida para o outono e o inverno! É a época do Rodízio de Fondue no “cercadinho” ao ar livre montado na Praça General Osório. Esse é um programa que vale ser feito todo ano. Fez frio (de Rio de Janeiro, aqueles 18ºC, 19ºC…), deu vontade de comer fondue, corre pra . Até porque você não sabe quando vai fazer frio de novo no Rio, né. Mas também porque é delicioso, tem cinco sabores (Filé Mignon, Linguiça Artesanal, Frango, Queijo e Chocolates) e um preço bem razoável (R$59,90 de segunda a quinta e R$74,90 sexta e sábado – domingo não tem por causa da feira na praça, aí não dá pra montar o “cercadinho”). Endereço: Rua Jangadeiros, 14 – Praça General Osório – Ipanema.

Bar Lagoa: é o único (e tradicionalíssimo) lugar com medalhão com arroz à piamontese que consegue rivalizar com o famoso prato do La Mole. E por mais que se faça essa comparação, na verdade o prato é diferente, não dá para compará-los de fato. Não espere aquele arroz à piamontese do La Mole, é outro. Mas é tão excelente e delicioso quanto – e é capaz de você ficar na mesa debatendo se é ou não é melhor. Provavelmente, como eu, não chegará a nenhuma conclusão, mas terá valido a noite. O prato é bem servido para duas pessoas, então vale o preço. Aliás, um outro ponto muito positivo do Bar Lagoa é que ele costuma fechar um pouquinho mais tarde do que a maioria dos restaurantes (leia-se tipo 1h30/2h). Endereço: Av. Epitácio Pessoa, 1674 – Ipanema (oficialmente, mas na verdade é na Lagoa).

Artigiano: como o próprio nome dá a entender, é um lugar para saborear a cozinha italiana. É pra meter o pé na jaca com os carboidratos e aproveitar as diversas e deliciosas opções de massas do cardápio (eu, por exemplo, gosto de ir lá nas vésperas das provas de corrida). O ambiente em estilo clássico é super agradável para um jantar de casal – sugiro sentar nas mesas ao ar livre na varanda. Os preços são honestos (na casa dos 45 reais – prato individual), mas um detalhe importante: a casa só aceita dinheiro em espécie. Endereço: Avenida Epitácio Pessoa, 204 – Ipanema (Jardim de Alah).

Nanquim: só abre para o almoço, mas é daqueles almoços de você comer agradecendo. O restaurante é do tipo self service (com o quilo na casa dos 90 reais – mais caro do que a média da cidade, é verdade), mas as opções são muito saborosas. Vale reservar um espaço no estômago para o buffet de sobremesas. A minha favorita, que sempre tem lá, é a sericaia, um doce de ovos sensacional. Ah, o ambiente é muito agradável também, calmo, sem televisões, com espaço para mesas de casal ou em família. Endereço: Rua Jardim Botânico, 644 – Jardim Botânico.

Observação importante: esse post não é pago. Nenhum restaurante pagou para aparecer aqui, as dicas e opiniões são totalmente verdadeiras! 

Foto em Destaque: Tomás Rangel | Divulgação Empório Jardim

Greg

Greg

Carioca, mangueirense, jornalista formado pela ECO-UFRJ.

One thought to “Rio de Janeiro: guia de onde comer e beber”

Comente