Skip to main content

Pequenos sim, mas sem pequenez

Semana passada, a Nasa divulgou que descobriu um planeta com características muito parecidas com as da Terra e em uma potencial zona habitável do Universo. Isso é incrível! Mas, para além de toda a importância científica da descoberta, o fato reforça também uma constatação um tanto quanto perturbadora para os humanos: somos mesmo muito pequenos no Universo! Então por que nos importamos com a roupa da vizinha? Ou com o cabelo da pessoa na rua? Isso sem falar que você viu o que aconteceu com o Pedro?

É aquela velha discussão do ponto de vista. O que somos nós se comparados a todo o Sistema Solar? E se compararmos com o Universo inteiro? E com o que há fora do Universo (se houver algo)? Segundo os pesquisadores, no Kepler 452-b “devem existir todos os ingredientes e as condições necessárias para a vida existir”. Além dele, haveria outros 11 candidatos a planetas em zona habitável de suas estrelas. Ou seja: nós, humanos, por mais que nos achemos importantes e grandes dentro do nosso planeta, somos pequenos! Mínimos, dá para dizer!

Calma, isso não deve ser motivo de pânico! Pelo contrário! O fato de sabermo-nos pequenos deve nos fazer questionar o que fazemos durante nossa existência. Deve ser uma forma de reavaliarmos nossos pensamentos. Se somos tão pequenos, por que gastamos tanto do nosso tempo julgando os outros? Por que damos pitaco na vida dos outros? Como ter preconceitos, se somos tão ínfimos para o Cosmo? Por que não aceitamos as diferenças, as particularidades, as ideias e modos de vida de cada um?

É claro que nós podemos aprender com os erros dos outros ou usá-los como exemplo positivo sem ter inveja (“queria ter a calma do fulano, o amor da beltrana com os demais”, etc.). A questão é: por que perdemos tanto tempo de nossa pequena existência reclamando das coisas, censurando os demais, julgando as atitudes do próximo segundo nossas cabeças e regras? Podemos aproveitar nosso tempo de formas tão melhores! Ajudando alguém, agradecendo por algo ao invés de reclamar, fazendo o bem a si mesmo e aos outros, amando pessoas, bichos, correndo atrás dos nossos sonhos, construindo relações, enfim… A Nasa confirma e relembra: somos pequenos sim! E nossa consciência deve responder: mas nada de pequenez!

Foto em Destaque: Nasa | Revista Galileu

Greg

Carioca, mangueirense, jornalista formado pela ECO-UFRJ.

Comente