Skip to main content

Falta confiança ao Flamengo!

Depois de três jogos sob o comando do técnico Cristóvão Borges, ficou claro que o problema do Flamengo não estava no treinador, mas sim dentro do campo. Depois da partida contra a Chapecoense, eu finalmente entendi: falta confiança ao rubro-negro!

Mesmo com a saída de Vanderlei Luxemburgo, que por sinal deixa boa impressão nesse início de trabalho no Cruzeiro com duas vitórias em dois jogos, o rubro-negro carioca não apresentou um futebol muito melhor. Foram três jogos, duas derrotas e uma vitória. Mais do que os resultados, é importante ver a forma como eles aconteceram.

O Flamengo, com Alecsandro, era um time que quase não chutava a gol. Limitava-se a cruzar infinitas bolas na direção do atacante, que, com sorte, aproveitava alguma. Foi assim no Fla x Flu. Apesar do gol do ex-camisa 9, o time e o atacante não jogaram bem, mesmo com um indivíduo a mais em boa parte do segundo tempo, e desperdiçaram muitos ataques só cruzando bolas na área.

Contra o Cruzeiro, em um Mineirão vazio e em um dos jogos mais fáceis para o clube da Gávea jogar em Minas nos últimos anos, o Flamengo teve (se a memória não me falha) nove escanteios contra apenas dois do adversário. Resultado do jogo: Cruzeiro 1×0 com gol de cabeça em um desses dois escanteios.

Olhando assim, o torcedor pode pensar: “falta qualidade ao time!”. Nem tanto… a questão é mais de confiança e brilho nos olhos. Basta olhar jogador por jogador e ver que nenhum deles é de “nível Zona de Rebaixamento”, pelo contrário. Samir é um ótimo zagueiro; Wallace, quando joga pela direita, é acima da média também; Jonas era considerado pela imprensa o “Schweinsteiger do Nordeste”; Canteros tem ótima visão de jogo; Éverton, Marcelo Cirino, Gabriel e Eduardo da Silva seriam titulares em quase qualquer outro time da Série A (principalmente os dois primeiros); Paulinho está em péssima fase desde que voltou da grave lesão no joelho, mas se recuperar a boa forma de 2013 entra nesse rol também. Além desses, também me agrada o Luiz Antônio quando não está com problemas extracampo na cabeça (perseguido injustamente por boa parte da internet rubro-negra).

Está claro que o problema não é qualidade. Achava que o problema era de “forma de jogo”, cruzando bolas para o Alecsandro sem chutar para o gol. No entanto, no jogo com a Chapecoense, mesmo sem o atacante em campo, o time continuou cruzando bolas. Pior, com chances claras de chutar, diversos jogadores preferiam passar. Aí ficou claro, para mim, que era um problema de confiança, não de qualidade, menos ainda de arrumação do time. Sem chutar, não há como fazer gol. O Flamengo precisa ter mais confiança para chutar mais ao gol.

Soma-se a isso um outro problema desse time rubro-negro: todos parecem de férias desde Novembro de 2014, quando perderam para o Atlético-MG e foram eliminados da Copa do Brasil. Desde então, a impressão passada é de que o clube da Gávea entrou em férias eternas. Fizeram um final de Brasileiro em 2014 “só para constar” (normal, já que não tinham maiores aspirações mesmo) e um Carioca em 2015 medíocre. Além disso, uma Copa do Brasil até o momento passando mais perrengue do que o necessário. Parece, pelo menos até hoje, que o melhor emprego do mundo é ser jogador rubro-negro: recebe-se em dia em um mercado em que todos atrasam salários, mas produz-se muito pouco. Falta brilhos nos olhos, vontade de vencer!

Vamos ver se, com essa primeira vitória sob o comando de Cristóvão Borges e com a chegada de reforços (provavelmente vem mais alguém além do ótimo Guerrero), não só a confiança, como a vontade mudam e dias melhores chegam para o Flamengo.

Foto em Destaque: Staff Images | Flickr Maracanã

Greg

Carioca, mangueirense, jornalista formado pela ECO-UFRJ.

Comente