Skip to main content

Dias históricos para o futebol mundial

Então quer dizer que em plena véspera de eleição na FIFA, no congresso da entidade na Suíça, diversos cartolas foram presos em uma operação do governo local com o FBI?! É isso mesmo! Parece roteiro de filme ou de série, mas isso realmente aconteceu!

Dentre os acusados, José Maria Marin, ex-presidente da CBF, Nike, empresas de marketing esportivo (sobretudo a Traffic), diversos importantes dirigentes e a própria credibilidade da FIFA. O assunto é delicado.

Em primeiro lugar, é importante ressaltar que, até o momento, são acusações, baseadas principalmente no depoimento de J. Hawilla (Traffic). Ele aceitou devolver dinheiro da propina recebida e ajudar nas investigações. Para entender mais a fundo o caso inteiro, sugiro ler a extensa e didática reportagem do globoesporte. Como qualquer acusação, essas ainda precisam ser comprovadas. Portanto, tudo o que é dito aqui ainda carece de cuidado, pois os envolvidos podem ser inocentes.

Com isso esclarecido, vamos ao que interessa. Acusações de corrupção no futebol não são lá novidade. A própria FIFA já tinha investigado, por conta própria, diversas supostas compras de votos na escolha das sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022. No entanto, a entidade não tinha chegado a motivos reais para anular esse processo de escolha. O que acontece é que, agora, um elemento externo ao comitê da Federação “se meteu” na jogada, passando por cima como um rolo compressor. Estou falando, é claro, do FBI.

Rapidamente a Rússia desqualificou a investida do FBI na FIFA. O fato é que, por interesse dos americanos em ter influência na FIFA, no “soccer”, ou mesmo na política contra a Rússia e o Qatar (vale a leitura dessa entrevista aqui, sobre a qual tenho algumas ressalvas, mas…), ou não, o jogo mudou. Isso é um fato. Dirigentes influentes sendo presos, outro saindo rapidamente da Suíça (Marco Polo Del Nero, atual presidente da CBF), mídia internacional inteira em cima do caso.

Quem de fato está envolvido nos “negócios” ainda é uma incógnita. Se Blatter sabia ou não de tudo, se outros mais estão “no bolo”, tudo isso ainda precisa ser esclarecido (mesmo que o presidente da FIFA tenha sido reeleito). Mas, pela primeira vez, vemos reais avanços na direção de abrir as caixas pretas que regem o futebol e parte do dinheiro mundial. Esse é o verdadeiro poder no futebol, o poder dos gabinetes da bola. É esse poder que gira o mundo da bola.

Para quem gosta do esporte, ama ir ao estádio e torcer pelo seu time como eu, é vital saber o real tamanho dessas relações de poder. É muito importante sairmos “daquilo que todo mundo sabe que existe” para o que realmente existe. Caso contrário, é inevitável ficar com a sensação de que somos todos otários ao gritar, chorar e se emocionar com o jogo. Até pela sobrevivência do negócio, que depende da paixão dos milhões de torcedores espalhados por todo o mundo, é importantíssimo que toda essa história seja passada a limpo. Pelo bem do futebol, que o FBI, a CIA, o Obama himself ou até o Papa continuem investigando e tragam tudo à luz! O recado está dado: não parem agora! O começo foi promissor e esses últimos dias já são históricos! O que já deve ter de poderoso por aí sem conseguir dormir direito nessas noites… isso, nenhuma propina no mundo paga!

Foto em Destaque: Facebook Oficial FIFA

Greg

Carioca, mangueirense, jornalista formado pela ECO-UFRJ.

Comente