Skip to main content
Jogadores do Flamengo levantam o troféu de campeão brasileiro de 2020

Brasileirão 2021: hora das previsões!

Hoje começa o Campeonato Brasileiro 2021. Mais uma edição com jogos sem torcida, no meio da pandemia de Covid… enfim, bem imprevisível! Nossa brincadeira anual de tentar fazer previsões sobre o desempenho dos 20 times na Série A está lançada! Ao final do campeonato, avaliamos o resultado.

Você pode lembrar meu desempenho nos anos passados aqui (2015), aqui (2016), nesse post (2017) nesse aqui (2018), também aqui (2019) e o mais recente aqui (2020).

As categorias são:

***** – Briga por título (no meu entender, fica entre 1º e 4º, mas sempre frequentando o G4 do campeonato)

**** – Briga por Libertadores (fica entre 3º e 9º – lembrando que tem o G6 para a Libertadores: o 5º e o 6º vão para a “Pré-Libertadores”)

*** – De férias em Novembro (fica entre 9º e 13º)

** – Deve ficar, mas pode brigar para não cair (fica entre 13º a 18º)

* – Briga para fugir do rebaixamento (fica entre 15º a 20º)

Neste ano, no lugar da análise dos times em ordem alfabética, vou direto para as categorias. Em cada uma, falo dos times envolvidos.

Previsões para o Brasileirão 2021:

***** – Briga por título:

Flamengo, Palmeiras e São Paulo são os três times que parecem estar nesse patamar, um pouco acima de outros que também vêm fortes para a Série A. O rubro-negro é o atual bicampeão e manteve toda a base do último ano (essa observação vale muito pro alviverde também, que manteve o time vencedor e campeão da Libertadores). Uma base que se acostumou com jogos decisivos e que se recusa a perder jogos (por isso que, normalmente, quando os perde é naquele dia em que “tudo dá errado” e volta e meia toma um “atropelo”). A torcida ainda tem certa desconfiança em Rogério Ceni, mas basta olhar o cenário nacional para perceber que, no mínimo, o técnico está no nível dos principais rivais (e contratações “de fora”, tendo em vista o cenário das finanças do clube e da pandemia no país, parecem ser extremamente improváveis no momento).

O principal ponto de atenção do Flamengo é se será capaz de segurar suas estrelas ou se perderá muitos jogadores ao longo do ano – assim como a forma como conseguirá dosar os desfalques para jogos das seleções. Além disso, o foco em várias competições simultâneas pode cobrar um preço alto… esse é o mesmo ponto de atenção para Palmeiras e São Paulo.

Uma observação a mais: Crespo faz um início de trabalho interessante no tricolor; a ver a paciência da torcida se os resultados oscilarem mais agora que, teoricamente, começam jogos contra adversários mais difíceis.

**** – Briga por Libertadores:

Atlético-MG, Grêmio e Internacional, com o Fluminense um pouco abaixo, mas ainda nesse bolo.

Essa previsão corre algum bom risco de ser totalmente errada quando olharmos pra ela lá em dezembro, e explico.

O Galo fez a melhor campanha da primeira fase da Libertadores (tudo bem que era um grupo tranquilo) e foi campeão estadual (não que signifique muito, como alertamos ano após ano)… nada impede que com o andamento do campeonato, tropeços aqui e ali dos rivais diretos, coloquem o alvinegro na disputa do título (vale lembrar que terminou em 3º na Série A passada, mas só 3 pontos atrás do campeão Flamengo).

Já a dupla Gre-Nal tem dois técnicos com o trabalho muito no começo, é difícil prever se e como vão evoluir. Enquanto o tricolor gaúcho leva a vantagem de continuar ganhando os clássicos recentes, o Inter teve boas exibições como uma sequência de goleadas no Beira-Rio (incluindo jogos pelo Gaúcho e Libertadores). Ambos precisam de ajustes, equilíbrio nas atuações, mas podem “encaixar”.

No caso do Fluminense, o parâmetro para o trabalho do Roger Machado (que já é contestado pela torcida) até o momento o permite colocar nesse patamar: fez o que se esperava dele no estadual (ficando com o vice) e mais do que se esperava na Libertadores (passando em 1º no grupo em que o esperado era o River Plate liderar). Tem elenco inferior aos rivais deste “pote” da previsão, e eu, particularmente, prefiro muito quando o Roger tira Nenê do time colocando os garotos e mais velocidade; além disso, é um time meio “bipolar”: foi quase inofensivo nas finais do estadual mas jogou muito na decisão da vaga para as oitavas na Libertadores. Como falar pro tricolor não acreditar?

*** – De férias em Novembro:

Athletico-PR, Corinthians, Santos e Red Bull Bragantino. É sempre muito difícil prever o Athletico, porque só fez seis jogos até agora com o time principal no ano (usou, como de costume, equipe alternativa no estadual). Foram 5 vitórias e uma derrota na Sul-Americana, mas contra adversários muito fracos. Como são praticamente os mesmos jogadores da campanha do ano passado (quando terminou em 9º), fiz essa previsão para 2021.

Corinthians com o novo técnico Sylvinho é uma incógnita total.

Ele terá que fazer os ajustes e montar o alvinegro com o campeonato em andamento… acredito que passará sem sustos, mas sem grandes aspirações também pelas dificuldades naturais de começar um trabalho quando outros já estão consolidados. Trabalho consolidado que é justamente o que Maurício Barbieri já tem no RB Bragantino. Como escrevi, pra mim o melhor trabalho do Brasileirão 2020. Já o Santos quase foi para a previsão **, mas acredito que Fernando Diniz conseguirá dar algum padrão competitivo melhor para o time.

** – Deve ficar, mas pode brigar para não cair:

Bahia, Ceará, Fortaleza e Cuiabá. Sim, vou prever o Cuiabá como **. Apesar do título estadual pouco significar, a equipe fez muitas contratações que ainda vão estrear e podem encorpar o time. São jogadores com experiência em clubes mais tradicionais mas que estavam sem espaço (do Flamengo vieram João Lucas e Pepê; do Flu veio o Yuri; Rafael Elias veio do Palmeiras; ainda teve o Murilo Rangel e, antes, o zagueiro Marllon vindo do Corinthians), uma aposta interessante. Já o Bahia, apesar da queda na Sul-Americana, tem o trunfo da manutenção do técnico Dado Cavalcanti, que evitou o rebaixamento para a Série B na edição passada e conquistou a Copa do Nordeste 2021. Mesmo trunfo do Ceará com Guto Ferreira, mas é justamente essa Copa do Nordeste perdida e a derrota também na final do Cearense e eliminação na Sul-Americana que ligam o alerta no alvinegro. Precisa reagir, assim como o rival Fortaleza parece estar fazendo desde a chegada do argentino Juan Pablo Vojvoda.

* – Briga para fugir do rebaixamento:

América-MG, Atlético-GO, Chapecoense, Juventude e Sport. Mesmo com protestos da torcida no twitter, o Atlético-GO contratou Eduardo Barroca para o comando da equipe. Faltando dois dias para a estreia na Série A, parece mais um caso claro de precisar encontrar e acertar o time com o campeonato em andamento, algo sempre muito perigoso; na Sul-Americana (eliminado) foram quatro empates, sendo três 0x0 em casa – placares esses que no Brasileirão serão fatais para qualquer sonho do rubro-negro.

Um pouco mais de tempo já teve Umberto Louzer no rubro-negro pernambucano, mas o Sport dele ainda não foi testado contra adversários mais complicados (nos únicos dois jogos contra times de Série A na temporada o Sport tomou 4 a 0, mas ainda sob o comando de Jair Ventura) e perdeu, nos pênaltis, o estadual para o rival Náutico.

A Chapecoense vive situação que considero dramática: nem técnico definido para o Brasileirão tem ainda.

Já o Juventude (que fez uma espécie de intertemporada para se preparar melhor para o campeonato) e o América-MG, fizeram estaduais bem honestos (mais ainda o time mineiro), mas sabemos que os certames locais não são parâmetros para balizar a expectativa para a Série A.

E aí, o que achou das previsões? Deixe as suas aqui nos comentários! Nos vemos em dezembro!

Foto em destaque: Lucas Figueiredo | CBF

Greg

Carioca, mangueirense, jornalista formado pela ECO-UFRJ.

Comente