Skip to main content

A melhor série de todos os tempos

Volta e meia, os apaixonados por séries de televisão discutem qual foi ou é a melhor de todos os tempos. Resolvi me meter na polêmica.

Lost”? “Breaking Bad”? “Friends”? Eu sei que a maioria dos seus amigos cita uma dessas como a melhor série que já viu. Pois esqueça todas elas! A melhor série de todos os tempos é Prison Break”! A história da fuga da prisão* dos irmãos Scofield e Burrows dá uma surra em tudo o que já foi produzido nesse formato.

Pense num pequeno círculo. Agora pense nesse pequeno círculo dentro de um círculo um pouco maior. Que por sua vez está dentro de um outro círculo, que está dentro de outro e de outro e de outro. Assim é “Prison Break”, com a percepção do telespectador aumentando um pouco a cada episódio e temporada. No final, aquela pequena história que você sabia faz todo o sentido, mas dentro de um contexto infinitamente maior.

Assistir a “Prison Break” requer fôlego e tempo. Sim, você precisa de fôlego porque você é capaz de passar os quase 50 minutos de um episódio com a sensação de que não respirou. Você puxa o ar ao começar a assistir a um episódio e só o solta no final. O problema é que você faz isso em todos os episódios e, quando viu, já prendeu a respiração em uma temporada inteira! E é aí que entra a necessidade de tempo. Esqueça aquele trabalho para apresentar no dia seguinte, aquela reunião de manhã cedo. Você vai assistir a mais de dois episódios seguidos com certeza! Eu, por exemplo, cheguei a assistir seis. Você planeja dormir às onze, mas antes só um episódiozinho… e quando vir, serão cinco e meia da manhã e meu-Deus-tenho-que-acordar-em-duas-horas!

Assistir a “Prison Break” também requer calmantes. Você é capaz de se pegar suando ou pulando na poltrona, na cama, no sofá, onde for, durante um episódio. A adrenalina e o suspense te fazem ficar a 1000 por hora. Não-é-possível-que-dessa-vez-ele-tenha-planejado-isso! E não é que ele planejou? Como assim?! Acalme-se e veja o próximo episódio para entender…

Isso mostra mais duas características marcantes da série. A primeira: os caras sabem como terminar um episódio. É impossível não querer ver o próximo naquele exato segundo ou você corre o risco de enfartar! Sabe o marasmo de “Breaking Bad” e “episódios da mosca”? Esqueça! A segunda: tudo, absolutamente tudo, tem explicação! Não fica um único ponto em aberto ao fim das quatro temporadas. Sabe o final de “Lost”? Esqueça! Muito, mas muito melhor!

A série é tão incrível que, tirando a empatia natural que desenvolvemos com o protagonista, cada amigo com quem conversei adora um personagem diferente na série. Ela permite que você conheça as histórias paralelas de cada um, tenha afinidade e passe a torcer de verdade por eles também. O meu é o Mahone, mas já vi torcerem pelo Sucre e até pelo T-Bag (vá ver a série para entender!).

Sério, esqueça o que você está vendo! Seja lá o que você está fazendo, pare! Se você não tiver visto ainda, corra para ver! Você não vai se arrepender, juro! Depois me conta se eu exagerei!

O que você está fazendo que ainda não saiu daqui e foi lá assistir?

*Você que já viu a série, deve concordar que essa é uma definição tosca do que é a história! Falando assim parece que ela é só isso e chega a ser engraçado de tão simplista perto de tudo o que acontece!

Greg

Carioca, mangueirense, jornalista formado pela ECO-UFRJ.

Comente